Acervo do violonista Sebastião Tapajós é catalogado e restaurado

Via: O Liberal

A catalogação da obra desse que é um violonista consagrado no Pará, Brasil e no mundo conta com as mãos de especialistas

A catalogação da obra desse que é um violonista consagrado no Pará, Brasil e no mundo, conta com as mãos de especialistas (Divulgação/ Instituto Sebastião Tapajós)

O acervo musical do violonista Sebastião Tapajós será catalogado em uma plataforma digital que será disponibilizada para o público. A iniciativa é do Instituto Sebastião Tapajós (IST), por meio do projeto “Sebastião Tapajós- Vida e Obra em plataforma digital”. O projeto tem a parceria da Universidade Federal Oeste do Pará (Ufopa), Universidade Federal do Pará (UFPA), e apoio do Núcleo de Promoção da Igualdade Étnico-Racial (Nierac) do MPPA.

O objetivo é reunir todo o acervo do violonista e compositor para disponibilizar em um museu virtual. O projeto realiza as atividades no Theatro Victória, onde funciona o Nierac, coordenado pela promotora de Justiça Braga, e se encontra na etapa de separação e catalogação de reportagens, programas e outros itens em papel.

catalogação da obra desse que é um violonista consagrado no Pará,  Brasil e no mundo, conta com as mãos de especialistas como restauradores, museólogos, além de estagiários bolsistas selecionados por um edital oriundo da parceria com a Ufopa, através do Projeto de extensão “Luz e Ação da Amazônia”.

O restaurador do Grupo de Pesquisa Memórias e Acervos na Amazônia da UFPA, Antônio Pacheco Neto, especialista no restauro e conservação de acervos em papel,  está coordenando a equipe. Ele explica que o trabalho inicial de restauração está em posse de itens do artista como jornais, revistas, partituras, fotografias e correspondências que estavam na casa do violonista. “Foi identificado que o acervo abrange o período de 1961 até 2022. São mais de 50 anos de jornais e notícias que mostram toda a trajetória da carreira dele”, relatou o especialista.

O Instituto Sebastião Tapajós tem a difusão da obra e acervo do músico, desenvolve projetos de educação musical para jovens de baixa renda
O Instituto Sebastião Tapajós tem a difusão da obra e acervo do músico, desenvolve projetos de educação musical para jovens de baixa renda (Divulgação/ Instituto Sebastião Tapajós)

Ainda segundo o restaurador, após a separação do material por ano, os itens devem passar por higienização e posteriormente acondicionamento adequado em caixas-arquivo, que poderão ser consultadas como objetos de pesquisa e produção de conhecimento.

Já a outra parte dos objetos, que incluem discos e violões, serão tratados por museólogas, conforme informou o restaurador.

Em busca de parcerias

Cristina Caetano, presidente do instituto Sebastião Tapajós e coordenadora do projeto, conta que as atividades do projeto estão sem local fixo para dar continuidade aos trabalhos.

“Por essa razão, abrimos diálogos com governo do estado e Ministério Público para conseguirmos um lugar adequado para trabalharmos o projeto. Solicitamos um espaço para o Instituto ao governo do estado.No entanto, é uma tentativa que ainda não nos foi respondida”, contou.

Sobre o Instituto

O Instituto Sebastião Tapajós tem a difusão da obra e acervo do músico, desenvolve projetos de educação musical para jovens de baixa renda.
Sebastião Pena Marcião, chamado carinhosamente de Tião por amigos e fãs, nasceu em 16 de abril de 1942. O músico trilhou um caminho de fama internacional na música. Tião lançou ao longo de sua carreira mais de 50 discos.

Conhecido internacionalmente, ao longo da carreira, lançou mais de 50 discos. Sebastião fez shows no Brasil e na Europa, suas melodias únicas marcaram momentos na vida das milhares de pessoas que conheceram a grandiosidade do seu trabalho.

Tião morreu em Santarém, no dia 2 de outubro de 2021. Na ocasião, fãs e familiares se despediram do artista no palco da Casa de Cultura de Santarém, lugar onde por diversas vezes o violonista de renome internacional encantou a todos com seu o dom.

Museu da Imagem e do Som celebra os 100 anos do rádio com exposição gratuita

Via: O Dia

Mostra ficará em cartaz até 4 de novembro

Imagem apresentada na exposição Pelas Ondas do Rádio
Divulgação/MIS

 

Rio – O Museu da Imagem e do Som (MIS), na Lapa, receberá a exposição gratuita “Pelas Ondas do Rádio” a partir desta quinta-feira (22). A mostra celebra os 100 anos da primeira transmissão oficial de rádio no Brasil, ocorrida em 7 de setembro de 1922, na Feira do Centenário de Independência do Brasil.
A exposição, que também pode ser conferida no site da instituição, utiliza o acervo do próprio museu, com fotos, áudios e vídeos que exploram a história do rádio brasileiro. Ela é divida em quatro fases: implantação (1915 – 1940), difusão (1932–1970), segmentação (1955-2005) e convergência (1995-atualidade).
Continua após a publicidade
Julia Baker, curadora da exibição, revela que o acervo do MIS permitiu ilustrar a história com imagens dos bastidores das rádios, incluindo os locutores e os atores e atrizes das radionovelas. “Foi construída uma linha do tempo mostrando os espaços conquistados pelo rádio, seja nas transmissões de conflitos, como a Revolução Constitucionalista de 32, ou de entretenimento, com programas de calouros e as partidas de futebol”, acrescenta.

Prefeitura de Belo Horizonte lança edital da Lei Municipal de Incentivo à Cultura

Via: O Tempo.com 

O novo edital da Lei Municipal de Incentivo à Cultura será lançado nesta quarta-feira (21) pela Prefeitura de Belo Horizonte. O projeto destinará cerca de R$18 milhões para o setor – valor que representa um acréscimo de quase 30% em relação a 2021.

Usando tecnologia para promover memórias afro-brasileiras e projetar futuro; espetáculo Estilhace! foi um dos projetos realizados com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte

 

Outra novidade do edital é o reajuste médio de 10% do teto das categorias, ou seja, os selecionados poderão captar um valor maior junto aos empreendedores. Os projetos devem ser enviados à PBH até 17 de outubro de 2022.

Serão selecionados projetos culturais das áreas de artes visuais e design, audiovisual, circo, dança, literatura e leitura, música, patrimônio e teatro, além de propostas multisetoriais, que contemplem mais de uma linguagem artística. As inscrições devem ser feitas na plataforma Mapa Cultural BH. O edital completo e as orientações para a elaboração e inscrição de projetos podem ser acessados pelo Portal da PBH.

Veja mais detalhes sobre o Edital:

O Edital Incentivo Fiscal 2022 prevê a seleção de projetos culturais que valorizem a expressão artística e cultural nas mais diversas regiões da cidade, buscando favorecer o desenvolvimento de todas as regionais do município de maneira equilibrada e igualitária, bem como ao público e artistas, agentes, coletivos, grupos e instituições culturais, além da possibilidade de intercâmbio entre eles.

A inscrição de projetos pode ser feita por qualquer pessoa física com atuação na área cultural (maior de 18 anos) e pessoas jurídicas com ou sem fins lucrativos (inclusive MEI) de natureza artístico cultural, sendo permitida a inscrição de apenas um projeto por proponente.

 Como será a avaliação dos projetos?

A avaliação e seleção dos projetos serão feitas pela Câmara de Fomento à Cultura Municipal, órgão colegiado  composto paritariamente por representantes da administração pública municipal e do setor cultural, eleitos por seus pares.

Para esse ano, houve também uma atualização dos critérios de avaliação como consistência do projeto, sua exequibilidade (orçamento, cronograma, plano de comunicação e divulgação, entre outros), a acessibilidade e democratização do acesso, além do impacto cultural e efeitos multiplicadores (formação de público, descentralização das ações, desconcentração dos recursos e retorno social, entre outros).

Onde será publicado o resultado?

O resultado do edital será publicado no Diário Oficial do Município (DOM), com a atualização das informações no site pbh.gov.br/lmic. Cerca de 150 projetos serão beneficiados,

Serviço

Edital Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Incentivo Fiscal 2022
Seleção de projetos culturais das áreas de artes visuais e design, audiovisual, circo, dança, literatura e leitura, música, patrimônio e teatro, além de propostas multisetoriais
Inscrições abertas de 21 de setembro a 17 de outubro de 2022
pbh.gov.br/lmic/if2022

ICOM aprova nova definição de museu voltada para a inclusão e a sustentabilidade

Via: Público PT

Por:

As preocupações de inclusão, sustentabilidade, acessibilidade e diversidade passam a estar inscritas no conceito, por deliberação da assembleia-geral do organismo que decorre até domingo em Praga.

Uma nova definição de museu foi aprovada esta quarta-feira pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM, na sigla em inglês), em Praga, na República Checa, alargando a anterior, já com 15 anos, aos conceitos de inclusão, sustentabilidade, acessibilidade e diversidade, segundo a organização.

Com 92% de votos a favor, esta proposta tinha sido criada em alternativa a uma outra, apresentada há três anos, no encontro anual, em Quioto, no Japão, que gerou intensa polémica pelo seu carácter considerado por alguns membros demasiado “político e activista”.

A nova definição, que essencialmente inclui a anterior e foi alargada com novos conceitos, “está alinhada com algumas das maiores mudanças no papel dos museus, reconhecendo a importância da inclusão, da participação da comunidade e da sustentabilidade”, indica um texto publicado esta quarta-feira pelo ICOM na sua página oficial.

Também são introduzidos os conceitos de ética e de partilha com o envolvimento da comunidade, bem como da possibilidade de proporcionar novas e diversificadas experiências aos visitantes.

Em 2019, a definição apresentada em Quioto acabou por não ser votada, tendo mais de 70% dos membros da assembleia-geral extraordinária decidido adiar a tomada de qualquer posição para a conferência seguinte.

Portugal foi um dos 25 países que subscreveram um documento a pedir o adiamento, para dar tempo à aproximação de posições e “evitar possíveis rupturas” no seio do ICOM.

A actual definição, que data de 2007, mas remonta, na sua génese, aos anos 1970, diz que “o museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, e que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da Humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite”.

A nova definição, aprovada por uma grande maioria, e cuja tradução já foi também aprovada pelos ICOM de Portugal, do Brasil e de Moçambique, como indicou à Lusa o presidente do ICOM-Europa cessante, Luís Raposo, alarga-a.

A definição passa a ser a seguinte: “Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade, que pesquisa, colecciona, conserva, interpreta e expõe o património material e imaterial. Os museus, abertos ao público, acessíveis e inclusivos, fomentam a diversidade e a sustentabilidade. Os museus funcionam e comunicam ética, profissionalmente e, com a participação das comunidades, e proporcionam experiências diversas de educação, fruição, reflexão e partilha de conhecimento”.

O ICOM é a maior organização internacional de museus e de profissionais de museus, criada em 1946, dedicada à preservação e divulgação do património natural e cultural mundial, tangível e intangível, através de orientações de boas práticas.

Neste encontro anual, representantes de comités nacionais de 118 países, que envolvem mais de 44 mil membros, realizam reuniões de trabalho e debatem até domingo questões que interessam aos museus, nomeadamente a sustentabilidade, liderança, e relação com a sociedade civil, estando prevista ainda a eleição dos novos corpos sociais da entidade.

History faz parceria com Museu do Ipiranga

Via: PropMark

Por: Janaina Langsdorff

 

Acordo inclui tecnologia interativa no quadro “Independência ou Morte”, uma das obras mais importantes do acervo do museu, que reabrirá as suas portas no dia 7 de setembro

O History, canal da A+E Networks América Latina presente em mais de 76 milhões de lares, fechou parceria com o Museu do Ipiranga para gerar o conteúdo que comemora o Bicentenário da Independência do Brasil, no próximo dia 7 de setembro.

O acordo foi oficializado na manhã desta quarta-feira (24) com as presenças de Eduardo Ruiz, presidente e gerente-geral do A+E Networks América Latina; Cesar Sabroso, vice-presidente sênior de marketing e PR do A+E Networks América Latina; Karen Santiago, diretora de conteúdo do History; e Amâncio Jorge de Oliveira, vice-diretor do Museu do Ipiranga.

Escadarias do saguão do Museu do Ipiranga na manhã desta quarta-feira (24), quando o History oficializou parceria com o Museu do Ipiranga (Divulgação)

A aliança inclui tour virtual pelas instalações do edifício-monumento com exibição nas redes sociais do canal a fim de incentivar as pessoas a visitarem o museu, que reabrirá as suas portas no dia 7 de setembro após nove anos fechado. A cerimônia terá cobertura das plataformas digitais do History.

O Museu do Ipiranga também ganhou um novo recurso visual com tela interativa do quadro Independência ou Morte, tela finalizada em 1888 por Pedro Américo, e uma das obras mais importantes do acervo. “A nossa tecnologia permite que o visitante conheça o que está por trás da obra. Queremos trazer o valor que a história do Brasil merece”, disse Raul Costa Jr., gerente-geral do Grupo A+E Networks.

A programação celebrativa começa no dia primeiro de setembro com a série Dicionário da Independência. Ao longo do mês, entram no ar B de Brasil, conduzida pelo historiador Eduardo Bueno; Insurgentes, com Ricardo Carvalho; Inventores do Brasil, apresentada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; e Aqui tem história, ancorada pelo historiador Thiago Gomide.

Indústrias mineiras fomentam projetos de cultura no estado

Ações preservam o patrimônio histórico e cultural e democratizam a cultura

Nova Orquestra — Foto: Julia Bandeira

 

De julho a novembro deste ano, centenas de projetos estão participando do processo de seleção da Chamada Instituto Cultural Vale 2022. A iniciativa destinará R$ 25 milhões, via Lei Federal de Incentivo à Cultura, a ações que serão realizadas a partir de janeiro de 2023, que valorizem a democratização do acesso e que contribuam para a diversidade de manifestações culturais e para o desenvolvimento da economia criativa nos locais onde são realizados.

Desde a sua criação, em 2020, o Instituto Cultural Vale já patrocinou mais de 500 projetos culturais em mais de 24 estados brasileiros e no Distrito Federal, com recursos incentivados e próprios, que somam mais de R$ 677 milhões. Em Minas Gerais, berço da mineradora Vale, foram 51 projetos contemplados apenas em 2021, com investimento total de cerca de R$ 116 milhões.

Como principal apoiador da cultura no estado, o Instituto Cultural Vale patrocina diversos projetos, como o Instituto Inhotim, em Brumadinho, as mostras de cinema de Tiradentes e de Ouro Preto, os grupos Corpo e Galpão – de dança e de teatro, respectivamente -, as orquestras filarmônicas de Minas Gerais e de Ouro Preto, o Festival Literário de Itabira, entre outros.

Os investimentos realizados pelo braço de cultura da mineradora também contribuem para preservar e fortalecer o patrimônio histórico e cultural de Minas Gerais. Um exemplo é o Museu Boulieu, que foi inaugurado em Ouro Preto, em abril deste ano, com o patrocínio integral do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O espaço acolhe mais de mil peças da coleção de arte barroca do casal Jacques e Maria Helena Boulieu.

Museu Boulieu, em Ouro Preto  — Foto:  Storm Filmes

Museu Boulieu, em Ouro Preto — Foto: Storm Filmes

Parceria com a indústria

Luciene Araújo, gerente de Responsabilidade Social da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), avalia que “Minas Gerais é um estado riquíssimo em todas as modalidades culturais: patrimônio histórico, gastronômico, música, teatro e artes plásticas. Minas tem muito a oferecer ao Brasil, porque é um celeiro dessas manifestações”. Para ela, “a cultura é muito importante no relacionamento entre as indústrias e a comunidade, de modo que não é possível separá-la do que a sociedade entende como um ativo cultural”, complementa.

Com o objetivo de estimular a interação entre indústria, cultura e comunidade, a FIEMG presta consultoria para que as empresas destinem seus recursos a iniciativas que geram mais valor à sociedade. “O nosso papel é trabalhar de acordo com a necessidade de cada empresa. Podemos contribuir com inteligência, formatação de projetos, consultoria, diálogos com as comunidades, para entender suas demandas. O resultado é uma ação de patrocínio relevante, que incentiva a valorização da cultura, das tradições e do uso das artes”, explica Luciene.

Alguns critérios norteiam o apoio da Federação aos projetos das empresas parceiras. O primeiro é a intencionalidade. Cada ação deve ser capaz de desenvolver locais e pessoas. O segundo é a qualidade técnica e o poder de transformação que a iniciativa deve ter. Finalmente, é preciso ter qualidade na gestão de processos, clareza na prestação de contas e uma boa relação com a comunidade. “A dobradinha entre a indústria de Minas Gerais e a FIEMG é muito efetiva e comprova que, quando todos trabalham a favor de uma cultura mais inclusiva, quem sai ganhando é a sociedade”, conclui Luciene Araújo.

Para saber mais, acesse o da FIEMG.

@mosaicoseinteriores-696x928-1.webp

Primeira Mostra de Decoração “User Experience” Sustentável do Brasil acontece em setembro

Via: Diário do Rio

Por Vanessa Costa

@mosaicoseinteriores-696x928-1.webp

@mosaicoseinteriores-696×928-1.webp

A partir de 03/09, o Vogue Square recebe uma Mostra de decoração ancorada nos conceitos de sustentabilidade e interatividade com o público

Rio Arquitetura e Design e o artista Pyé Netto trazem ao Rio de Janeiro, a partir do dia 03/09, o Vogue Decor UX +Sustentável – evento gratuito de arquitetura, arte, decoração e sustentabilidade em formato interativo. O evento é a primeira Mostra de Decoração “User Experience” Sustentável do Brasil.

A Mostra, composta por mais de 20 expositores, objetiva proporcionar uma experiência única em novas tendências de decoração sustentável, cujos produtores apresentam seus espaços decorados, peças em exposição e garantem a oportunidade de acompanhar o processo de criação e fabricação de algumas peças em tempo real.

“A Barra da Tijuca vive boom imobiliário e, cada vez mais, amplia sua influência no segmento de decoração. Por sua vez, o carioca da Barra valoriza a natureza e tendências de sustentabilidade integradas à decoração. Buscamos, então, trazer um projeto dentro destes conceitos, fomentando experiências únicas com o nosso público,” diz Vinício Garcia, coordenador de marketing do Vogue Square.

Serão 30 dias de valorização do design mobiliário e artesanal do Brasil, através de showrooms e ativações interativas com o público. A mostra fica localizada no piso térreo do empreendimento, entre os dias 03 de setembro e 02 de outubro.

VOGUE DECOR UX +SUSTENTÁVEL

Local: Vogue Square – Avenida das Américas nº 8585 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro Período: De 03 de setembro até 02 de outubro de 2022

De 2ª a Sábado, das 12:00 às 20:00h

Domingos, das 13:00 às 20:00h

A relação entre meio ambiente questões sociais, governanças e o mercado financeiro.

O convidado Fernando Potsch irá abordar a relação entre meio ambiente questões sociais, governanças e o mercado financeiro.

Conheça mais sobre o curso em: https://pos.unibh.br/cursos/gestao-socioambiental-e-sustentabilidade-esg/

Ou entre em contato via WhatsApp: 24 9.9315-1892

 

 

Aula Aberta do MBA em Gestão e Inovação da Conservação do Patrimônio

A ABGC, a EXPOMUS e a UNIMAIS, em parceria com o Instituto de Conservação e Restauro PACHAMAMA e Clé Reserva Contemporânea. convidam vocês para assistir a Aula Aberta da pós-graduação MBA em Gestão de Museus e Inovação – SP, com a convidada internacional, Prof. Dr. Salvador Munhoz Viñas, é o Professor e responsável pela Oficina de Obras Gráficas do Instituto Universitário de Restauro do Património da Universidade Politécnica de Valência. Ele ministrou cursos em inúmeras entidades, como o ICCROM, o Museu Britânico ou a Sorbonne, e trabalhou como professor visitante na Universidade de Harvard ou como Professor Visitante Distinto na Universidade de Nova York.

A aula acontecerá dia 03/09/2022 às 10:00h (horário de Brasília) o tema abordado pelo professor será, “A Batalha de Clio e Euterpe”.

Clique aqui e conheça o programa do curso completo.

 

Preencha o formulário abaixo para poder receber o acesso à aula aberta

    Instituição (opcional)

    A participação da cultura na sustentabilidade

    No episódio dessa semana a convidada será a Profa. Dra. Maria Ignez Mantovani Franco, Doutora em Museologia pela Universidade Lusófona (Lisboa). Fundadora e Diretora da EXPOMUS, uma das conveniadas responsáveis para a elaboração do MBA em Gestão Socioambiental e Sustentabilidade ESG. Iremos abordar a participação da cultura na sustentabilidade

    Conheça mais sobre o curso em: https://pos.unibh.br/cursos/gestao-socioambiental-e-sustentabilidade-esg/

    Ou entre em contato via WhatsApp: 24 9.9315-1892